CALENDÁRIO +Info...

Quinta-Feira, 1 de Fevereiro de 2018

Sexta-Feira, 2 de Fevereiro de 2018

Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

Segunda-Feira, 5 de Fevereiro de 2018

  • ITRM 2018 - 4ª Semana: Últ. dia

Quarta-Feira, 7 de Fevereiro de 2018

Sábado, 10 de Fevereiro de 2018

  • IMPI 2018 - Jan: Últ. dia
  • IVNE 2018 - Jan: Últ. dia

Segunda-Feira, 12 de Fevereiro de 2018

  • ICC 2018 - Fev: Últ. dia
  • ICCOP 2018 - Fev: Últ. dia
  • ICIT 2018 - Fev: Últ. dia
  • ICS 2018 - Fev: Últ. dia
  • ITRM 2018 - 5ª Semana: Últ. dia

Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018

Segunda-Feira, 19 de Fevereiro de 2018

  • IAPI 2017: Início
  • IPP 2017: Início
  • ITRM 2018 - 6ª Semana: Últ. dia

Terça-Feira, 20 de Fevereiro de 2018

Quarta-Feira, 21 de Fevereiro de 2018

  • IMGA 2018 - Jan: Últ. dia
  • IMLV 2018 - Jan: Últ. dia

Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

  • IPMC 2018 - Fev: Últ. dia
  • IPPI 2018 - Fev: Últ. dia

Segunda-Feira, 26 de Fevereiro de 2018

  • ITRM 2018 - 7ª Semana: Últ. dia
  • SPE 2017: Início

INFORMAÇÕES

O conhecimento de informação estatística fiável, pertinente e atual é indispensável à tomada de decisão a todos os níveis. A sua colaboração na resposta aos inquéritos do INE é decisiva para a produção e difusão das estatísticas oficiais.

EM DESTAQUE

1622
INE - Informar, Saber, Decidir
  • <
  • 1 de 30
  • >
Imagem sobre Superfície de cereais de inverno em mínimos históricos 20-02-2018

Superfície de cereais de inverno em mínimos históricos

As previsões agrícolas, em 31 de janeiro, apontam para um aumento da produção de azeitona para azeite (+25%, face a 2016), com os olivais intensivos a compensarem a menor produtividade dos tradicionais, afetados pela seca meteorológica persistente. Quanto aos cereais de outono/inverno, assinala-se, pelo quinto ano consecutivo, uma diminuição da área instalada, prevendo-se que nesta campanha se atinja um mínimo histórico de 121 mil hectares, a menor área dos últimos cem anos (desde que existem registos sistemáticos). O desenvolvimento vegetativo das searas é normal.

SABER +
Imagem sobre Taxa de juro aumenta para 1,024% 19-02-2018

Taxa de juro aumenta para 1,024%

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação fixou-se nos 1,024%, valor superior em 0,5 pontos base (p.b.) ao observado em dezembro de 2017. A prestação média vencida subiu 1 euro em relação ao mês anterior, fixando-se em 240 euros. O capital médio em dívida para a totalidade dos contratos de crédito à habitação aumentou para 51 728 euros.

SABER +
Imagem sobre Preços na Produção Industrial desaceleraram para 1,3% 19-02-2018

Preços na Produção Industrial desaceleraram para 1,3%

O Índice de Preços na Produção Industrial (IPPI) registou uma taxa de variação homóloga de 1,3% em janeiro (2,2% em dezembro). Excluindo o agrupamento de Energia, o índice aumentou 1,9% (variação de 1,7% no mês precedente). A variação mensal foi 1,1% (2,0% em igual mês de 2017).

SABER +
Imagem sobre Indicador de atividade económica diminui e indicador de clima económico estabiliza 19-02-2018

Indicador de atividade económica diminui e indicador de clima económico estabiliza

Na Área Euro (AE), o Produto Interno Bruto (PIB) em termos reais registou uma variação homóloga de 2,7% no 4º trimestre (2,8% no trimestre anterior). Em janeiro, o indicador de confiança dos consumidores e o indicador de sentimento económico aumentaram na AE. No mesmo mês, os preços das matérias-primas e do petróleo apresentaram variações em cadeia de 3,8% e 4,1%, respetivamente (-1,0% e 1,8% em dezembro).
Em Portugal, o PIB registou uma variação homóloga de 2,4% no 4º trimestre (2,5% no trimestre anterior), enquanto a variação em cadeia foi 0,7% (0,5% no 3º trimestre). O indicador de atividade económica, disponível até dezembro diminuiu, enquanto o indicador de clima económico, disponível até janeiro, estabilizou. O indicador quantitativo do consumo privado diminuiu em dezembro, refletindo um contributo positivo menos expressivo de ambas as componentes, consumo corrente e consumo duradouro. O indicador de FBCF abrandou em dezembro, prolongando o perfil descendente iniciado em junho. A evolução observada no último mês deveu-se ao contributo positivo menos intenso das componentes máquinas e equipamentos e construção e ao contributo negativo da componente de material de transporte. Em termos nominais, as exportações e importações de bens apresentaram variações homólogas de 8,3% e 10,0% em dezembro, respetivamente (10,0% e 13,3% em novembro). Em dezembro, considerando a atividade económica na perspetiva da produção, verificou-se uma desaceleração dos índices de volume de negócios dos serviços e da indústria, bem como do índice de produção da indústria, enquanto o índice de produção na construção acelerou.
No 4º trimestre de 2017, a taxa de desemprego foi 8,1%, 0,4 p.p. abaixo do valor verificado no trimestre anterior (10,5% no período homólogo de 2016). O emprego apresentou um crescimento homólogo de 3,5% (3,0% no 3º trimestre), tendo a população ativa aumentado 0,8% no 4º trimestre, mais 0,1 p.p. que no trimestre anterior.
O Índice de Preços no Consumidor (IPC) apresentou uma variação homóloga de 1,0% em janeiro (1,5% no mês anterior), observando-se uma taxa de variação de 0,3% na componente de bens (1,0% no mês precedente) e de 2,1% na de serviços (taxa idêntica à verificada em dezembro).

SABER +
Imagem sobre Em 2015 o setor dos bens e serviços ambientais gerou 2,8% do VAB nacional 16-02-2018

Em 2015 o setor dos bens e serviços ambientais gerou 2,8% do VAB nacional

Em 2015, o setor de bens e serviços ambientais representou 2,8% do VAB da economia, 3,3% das exportações e 2,3% do emprego, evidenciando crescimentos superiores aos da economia nacional nas principais variáveis económicas analisadas, como o VAB (5,5% vs. 3,6%) ou as Exportações (13,1% vs. 4,7%). Os domínios ambientais que mais contribuíram para o VAB deste setor foram a gestão de recursos energéticos (35,7%), a gestão de resíduos (16,9%) e a gestão da água (14,3%).
Em 2014 o peso relativo do VAB do setor dos bens e serviços ambientais no VAB nacional foi de 2,7%, superior ao da UE28 (2,3%).
Em 2015, a Despesa Nacional em Proteção do Ambiente (DNPA) totalizou 2.510,2 M€ (1,4% do PIB).

SABER +
Imagem sobre Viagens turísticas dos residentes aumentaram 1,1% 16-02-2018

Viagens turísticas dos residentes aumentaram 1,1%

No 3º trimestre de 2017, o número de deslocações turísticas efetuadas pelos residentes em Portugal registou um incremento de 1,1% face ao trimestre homólogo de 2016 (+8,3% no 2ºT 2017), totalizando 7,8 milhões. As viagens com destino ao estrangeiro registaram o maior aumento (+8,5%; +14,8% no 2ºT 2017), representando 10,1% do total. 
O “lazer, recreio ou férias” motivou 60,3% das viagens (+0,4 p.p., ascendendo a 4,7 milhões), seguindo-se a “visita a familiares ou amigos” com 32,9% (+0,6 p.p., num total de 2,6 milhões de viagens). As viagens por motivos “profissionais ou de negócios” corresponderam a 3,8% do total (-0,8 p.p., num total de 295,6 mil).
O “alojamento particular gratuito” foi a principal opção de alojamento nas viagens dos residentes (com 61,9% das dormidas totais), registando um aumento de 1,2 p.p. no seu peso face ao total.

SABER +
Imagem sobre No 4.º trimestre de 2017, o Índice de Custo do Trabalho aumentou 4,7% em relação ao mesmo trimestre de 2016. Em 2017, aumentou 2,5% em relação a 2016 14-02-2018

No 4.º trimestre de 2017, o Índice de Custo do Trabalho aumentou 4,7% em relação ao mesmo trimestre de 2016. Em 2017, aumentou 2,5% em relação a 2016

O Índice de Custo do Trabalho (ICT) ajustado de dias úteis registou um acréscimo homólogo de 4,7%, no 4.º trimestre de 2017. No trimestre anterior tinha sido observado um decréscimo homólogo de 0,9%.
Em termos de média anual, o ICT aumentou 2,5% em 2017, devido a acréscimos de 2,4% nos custos salariais e de 2,7% nos outros custos do trabalho. Em 2016, o ICT tinha registado uma variação anual de 1,4%, a que corresponderam acréscimos de 1,6% nos custos salariais e de 0,6% nos outros custos.
Por atividade económica, em 2017, o ICT registou um acréscimo anual de 1,7% nas atividades das secções B a N e um acréscimo de 3,6% nas atividades das secções O a S (que incluem a Administração Pública).

SABER +
Imagem sobre Resultados preliminares de 2017: crescimentos de 8,9% nos hóspedes e 7,4% nas dormidas 14-02-2018

Resultados preliminares de 2017: crescimentos de 8,9% nos hóspedes e 7,4% nas dormidas

A hotelaria registou 1,2 milhões de hóspedes e 2,7 milhões de dormidas em dezembro de 2017, correspondendo a variações  de +11,1% e +9,8% (+10,5% e +8,8% em novembro, respetivamente). As dormidas do mercado interno aceleraram para um crescimento de 10,5% (7,2% no mês anterior) e as dos mercados externos cresceram 9,4% (tal como em novembro).
A estada média (2,32 noites) reduziu-se 1,2% (-4,5% no caso dos não residentes). A taxa líquida de ocupação-cama (32,1%) aumentou 1,8 p.p.
Os proveitos aceleraram, tendo no total apresentado um crescimento de 18,1% (16,4% em novembro) e ascenderam a 160,2 milhões de euros. Os proveitos de aposento cresceram 21,1% (18,0% no mês anterior) e atingiram 108,3 milhões de euros.
No conjunto do ano de 2017 (resultados preliminares) os estabelecimentos hoteleiros registaram 20,6 milhões de hóspedes e 57,5 milhões de dormidas, a que corresponderam aumentos anuais de 8,9% e 7,4%, respetivamente (+9,2% e +9,6% em 2016). O mercado interno contribuiu com 15,9 milhões de dormidas (+4,1%) e os mercados externos com 41,6 milhões de dormidas (+8,6%). As dormidas de mercados externos representaram 72,4% das dormidas totais (71,5% em 2016). Os proveitos totais aumentaram 16,6% e os de aposento 18,3% (+17,3% e +18,2% em 2016).

SABER +
Imagem sobre Produto Interno Bruto aumentou 2,4% em volume no 4º trimestre de 2017 e 2,7% no conjunto do ano 2017 14-02-2018

Produto Interno Bruto aumentou 2,4% em volume no 4º trimestre de 2017 e 2,7% no conjunto do ano 2017

O Produto Interno Bruto (PIB), em termos homólogos, aumentou 2,4% em volume no 4º trimestre de 2017 (2,5% no trimestre anterior). O contributo positivo da procura interna para a variação homóloga do PIB diminuiu, em resultado do abrandamento do Investimento e do consumo privado. Em sentido oposto, o contributo da procura externa líquida foi positivo (no trimestre anterior tinha sido negativo), refletindo a aceleração em volume das Exportações de Bens e Serviços e a desaceleração das Importações de Bens e Serviços.
Comparativamente com o 3º trimestre de 2017, o PIB aumentou 0,7% em termos reais, uma taxa superior em 0,2 pontos percentuais à registada no trimestre anterior. O contributo da procura externa líquida para a variação em cadeia do PIB passou de negativo a positivo, observando-se uma aceleração mais intensa das Exportações de Bens e Serviços que das Importações de Bens e Serviços. O contributo da procura interna diminuiu no 4º trimestre, devido sobretudo ao abrandamento do consumo privado.
Em 2017, o PIB aumentou 2,7% em volume, mais 1,2 p.p. que o verificado no ano anterior. Esta evolução resultou do aumento do contributo da procura interna, refletindo principalmente a aceleração do Investimento, uma vez que a procura externa líquida apresentou um contributo idêntico ao registado em 2016.

SABER +
Imagem sobre Volume de Negócios nos Serviços cresceu 7,4% 12-02-2018

Volume de Negócios nos Serviços cresceu 7,4%

O índice de volume de negócios nos serviços apresentou uma variação homóloga nominal de 7,4% em dezembro (4,9% no mês de novembro).
O 4.º trimestre de 2017 registou um crescimento de 5,5% face ao mesmo período de 2016 (6,0% no trimestre anterior). No conjunto do ano 2017, o índice de volume de negócios nos serviços cresceu 5,9%, taxa superior em 4,5 pontos percentuais à no ano anterior.
Os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, apresentaram variações homólogas de 4,0%, 4,9% e 4,7%, respetivamente (4,4%, 5,4% e 4,8% em novembro, pela mesma ordem). No conjunto do ano de 2017, estes três índices registaram taxas de variação médias de 3,8%, 4,0 % e 3,4%, respeti-vamente (1,6%, 2,2% e 0,5% em 2016).

SABER +
Imagem sobre Taxa de variação homóloga do IPC diminuiu para 1,0% 12-02-2018

Taxa de variação homóloga do IPC diminuiu para 1,0%

A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi 1,0% em janeiro de 2018, taxa inferior em 0,5 pontos percentuais (p.p.) à do mês anterior. O indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) registou uma variação homóloga de 0,9%, valor inferior em 0,3 p.p. ao registado em dezembro de 2017.
A variação mensal do IPC foi -1,0% (nula no mês precedente e -0,6% em janeiro de 2017). A variação média dos últimos doze meses fixou-se em 1,3%, taxa inferior em 0,1 p.p. à registada no mês anterior.
O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma variação homóloga de 1,1%, taxa inferior em 0,5 p.p. à do mês anterior e inferior em 0,2 p.p. à estimativa do Eurostat para a área do Euro (em dezembro, a variação homóloga do IHPC português foi superior em 0,2 p.p. à da área do Euro). O IHPC registou uma variação mensal de -1,2% (-0,2% no mês anterior e -0,7% em janeiro de 2017) e uma variação média dos últimos doze meses de 1,5% (1,6% em dezembro).

SABER +
Imagem sobre Produção na Construção aumentou 2,7% 12-02-2018

Produção na Construção aumentou 2,7%

O Índice de Produção na Construção registou uma variação homóloga de 2,7% em dezembro (2,5% no mês anterior). No ano de 2017 a produção cresceu 2,2% (diminuição de 3,9% em 2016). Os índices de emprego e de remunerações aumentaram 2,4% e 2,0% em dezembro (2,3% e 4,2% em novembro), pela mesma ordem. A variação média anual destes índices foi 2,1% e 1,9% em 2017, respetivamente (diminuições de 4,0% e 4,8% em 2016).

SABER +
Imagem sobre Volume de Negócios na Indústria desacelerou para 3,6% 09-02-2018

Volume de Negócios na Indústria desacelerou para 3,6%

Em termos nominais, o Índice de Volume de Negócios na Indústria registou um aumento homólogo de 3,6% em dezembro (9,8% no mês anterior). Os índices relativos ao mercado externo e ao mercado nacional variaram 3,4% e 3,7% (14,6% e 6,5% no mês anterior), respetivamente. No 4.º trimestre de 2017, as vendas na indústria apresenta-ram um crescimento homólogo de 8,5% (7,4% no trimestre anterior). A variação média anual do índice situou-se em 8,7% (-0,8% em 2016).
Os índices do emprego, das remunerações e das horas trabalhadas apresentaram crescimentos homólogos de 4,1%, 6,4% e 0,8% em dezembro (3,9%, 6,2% e 3,2% no mês anterior, pela mesma ordem).

SABER +
Imagem sobre As exportações aumentaram 0,1% e as importações diminuíram 0,8%, em termos nominais 09-02-2018

As exportações aumentaram 0,1% e as importações diminuíram 0,8%, em termos nominais

Em dezembro de 2017, as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de, respetivamente, +0,1% e -0,8%, desacelerando ambas face ao mês anterior (+11,6% e +10,4% em novembro de 2017, pela mesma ordem).
Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, as exportações diminuíram 0,5% e as importações cresceram 1,3% (respetivamente +12,5% e +7,8% em novembro de 2017).
O défice da balança comercial de bens foi de 1 382 milhões de euros em dezembro de 2017, o que representa um decréscimo de 51 milhões de euros face ao mês homólogo de 2016. Excluindo os Combustíveis e lubrificantes a balança comercial atingiu um saldo negativo de 1 088 milhões de euros, correspondente a um aumento do défice de 79 milhões de euros em relação ao mesmo mês de 2016.
No 4º trimestre de 2017, as exportações e as importações de bens aumentaram respetivamente 8,3% e 10,0% face ao período homólogo.
No conjunto do ano de 2017 as exportações de bens aumentaram 10,1% (+0,8% em 2016) e as importações de bens cresceram 12,5% (+1,5% em 2016), relativamente ao ano anterior, tendo o défice da balança comercial de bens aumentado 2 622 milhões de euros. Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, as exportações e as importações cresceram respetivamente 9,1% e 10,7% em 2017 (+2,3% e +5,1% em 2016).

SABER +
Imagem sobre VAB do setor não financeiro cresceu 6,0%, em termos nominais, em 2016 08-02-2018

VAB do setor não financeiro cresceu 6,0%, em termos nominais, em 2016

O ano 2016 ficou globalmente marcado pela continuação da evolução positiva dos principais indicadores económicos e financeiros do setor empresarial. Face ao ano anterior, o número de empresas individuais cresceu 3,1% e o número de sociedades aumentou 2,3%. O Pessoal ao serviço e o Volume de negócios aumentaram, respetivamente, 3,5% e 2,7%, em termos nominais.
No setor não financeiro, o número de unidades empresariais cresceu 2,8%, enquanto o Volume de negócios, o Valor acrescentado bruto e o Excedente bruto de exploração registaram acréscimos nominais de 2,7%, 6,0% e 8,4% respetivamente (2,7%, 5,8% e 6,9% em 2015). Analisando o contributo setorial na evolução do EBE, destacou-se o Alojamento e restauração com 1,6 p.p..
Existiam 5 553 sociedades de elevado crescimento (mais 984 que em 2015), as quais geraram um VAB de 10 486 milhões de euros, representando 16,8% do total (menos 0,7 p.p. que em 2015).
O peso no Volume de negócios das sociedades com perfil exportador aumentou 5,0 p.p. entre 2008 e 2016. No período em análise, a dimensão média destas sociedades em termos de Volume de negócios e de Pessoal ao serviço foi respetivamente de 5 053 mil euros e 29 pessoas, o que compara com 634 mil euros e 6 pessoas para as sociedades sem esse perfil.

SABER +
Imagem sobre Custos de construção aumentaram 1,7% 07-02-2018

Custos de construção aumentaram 1,7%

A variação homóloga do Índice de Custos de Construção de Habitação Nova foi 1,7% em dezembro, taxa superior em 0,1 pontos percentuais (p.p.) ao verificado no mês anterior. O Índice de Preços de Manutenção e Reparação Regular da Habitação aumentou 1,3%, mais 0,2 p.p. que em Novembro.
A variação média anual do Índice de Custos de Construção de Habitação Nova fixou-se em 1,7% em 2017, valor que compara com 0,6% no ano transato. O Índice de Preços de Manutenção e Reparação Regular da Habitação aumentou 2,0% em 2017 (0,6% em 2016).

SABER +
Imagem sobre A taxa de desemprego foi 8,1% no 4.º trimestre e 8,9% no ano de 2017 07-02-2018

A taxa de desemprego foi 8,1% no 4.º trimestre e 8,9% no ano de 2017

A taxa de desemprego do 4.º trimestre de 2017 foi 8,1%. Este valor é inferior em 0,4 pontos percentuais (p.p.) ao do trimestre anterior e em 2,4 p.p. ao do trimestre homólogo de 2016.
A população desempregada, estimada em 422,0 mil pessoas, registou uma diminuição trimestral de 4,9% (menos 22,0 mil), prosseguindo as diminuições trimestrais observadas desde o 2.º trimestre de 2016. Em relação ao trimestre homólogo, verificou-se uma diminuição de 22,3% (menos 121,2 mil), a maior desde o 3.º trimestre de 2013.
A população empregada, estimada em 4 804,9 mil pessoas, teve uma variação trimestral relativa quase nula (associada a um ligeiro acréscimo de 1,9 mil pessoas) e um aumento homólogo de 3,5% (mais 161,3 mil), o maior desde o 4.º trimestre de 2013.
Em termos de média anual, a taxa de desemprego foi 8,9% em 2017, o que representa uma diminuição de 2,2 p.p. em relação a 2016, e a taxa de desemprego de jovens (15 a 24 anos) situou-se em 23,9%, menos 4,1 p.p. em relação ao ano anterior.
A população desempregada, estimada em 462,8 mil pessoas em 2017, diminuiu 19,2% em relação ao ano anterior (menos 110,2 mil), enquanto a proporção de desempregados à procura de emprego há 12 e mais meses (longa duração) foi 57,5%, registando um decréscimo de 4,6 p.p. em relação ao ano anterior. Já a população empregada foi estimada em 4 756,6 mil pessoas e aumentou, num ano, 3,3% (mais 151,4 mil). Por seu turno, a taxa de atividade da população em idade ativa situou-se em 59,0%, valor superior em 0,5 p.p. ao de 2016.
Nestas estimativas trimestrais foi considerada a população com 15 e mais anos e os valores não são ajustados de sazonalidade.

SABER +
Imagem sobre Taxa de variação homóloga do IPC estimada em 1,1% 31-01-2018

Taxa de variação homóloga do IPC estimada em 1,1%

Tendo por base a informação apurada até à data do presente destaque, a taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) terá sido de 1,1% em janeiro de 2018 (o valor observado em dezembro de 2017 foi 1,5%). A variação homóloga estimada do indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) é de 1,0% (1,2% em dezembro de 2017).
A variação mensal do IPC terá sido -1,0% (variação nula em dezembro) e a variação média dos últimos doze meses de 1,3% (1,4% registado no mês precedente).
O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma variação homóloga estimada de 1,1% (1,6% em de dezembro).
Os dados definitivos referentes ao mês de janeiro serão publicados no próximo dia 12 de fevereiro.

SABER +
Imagem sobre Produção Industrial com variação homóloga de 1,3% 30-01-2018

Produção Industrial com variação homóloga de 1,3%

O índice de produção industrial apresentou uma variação homóloga de 1,3% em dezembro (3,2% em novembro), com a secção das Indústrias Transformadoras a subir 2,8% (4,8% no mês anterior). No 4º trimestre de 2017, o índice agregado aumentou 3,1% face ao trimestre homólogo (7,1% no período precedente). O índice total aumentou 4,0%, em 2017, mais 1,7 pontos percentuais que no ano anterior.

SABER +
Imagem sobre Vendas no Comércio a Retalho aceleraram para 5,7% 30-01-2018

Vendas no Comércio a Retalho aceleraram para 5,7%

O Índice de Volume de Negócios no Comércio a Retalho registou uma variação homóloga de 5,7% (4,9% em novembro). Os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas ajustadas de efeitos de calendário, apresentaram taxas de variação homóloga de 3,5%, 4,7% e -0,3%, respetivamente (3,7%, 5,5% e 0,1% em novembro, pela mesma ordem). No quarto trimestre de 2017, as vendas no Comércio a Retalho subiram 4,1% em termos homólogos (4,0% no terceiro trimestre).
Para o ano de 2017, o Índice de Volume de Negócios no Comércio a Retalho aumentou 4,0%, mais 1,3 pontos percentuais que em 2016.

SABER +
Imagem sobre Área Metropolitana de Lisboa em números - 2016 08-02-2018

Área Metropolitana de Lisboa em números - 2016

Brochura bilingue (português e inglês) contendo informação estatística de síntese para cada região NUTS II de Portugal continental, organizada em mais de vinte subcapítulos agrupados em quatro domínios: O Território, As Pessoas, A Atividade Económica e O Estado. A apresentação da informação maioritariamente através de mapas temáticos e gráficos permite captar a realidade socioeconómica de cada uma das regiões no contexto nacional e dos respetivos municípios.

Está também disponível a edição interativa da brochura

SABER +
Imagem sobre Região Norte em números - 2016 08-02-2018

Região Norte em números - 2016

Brochura bilingue (português e inglês) contendo informação estatística de síntese para cada região NUTS II de Portugal continental, organizada em mais de vinte subcapítulos agrupados em quatro domínios: O Território, As Pessoas, A Atividade Económica e O Estado. A apresentação da informação maioritariamente através de mapas temáticos e gráficos permite captar a realidade socioeconómica de cada uma das regiões no contexto nacional e dos respetivos municípios.

Está também disponível a edição interativa da brochura

SABER +
Imagem sobre Região Centro em números - 2016 08-02-2018

Região Centro em números - 2016

 

Brochura bilingue (português e inglês) contendo informação estatística de síntese para cada região NUTS II de Portugal continental, organizada em mais de vinte subcapítulos agrupados em quatro domínios: O Território, As Pessoas, A Atividade Económica e O Estado. A apresentação da informação maioritariamente através de mapas temáticos e gráficos permite captar a realidade socioeconómica de cada uma das regiões no contexto nacional e dos respetivos municípios.


Está também disponível a edição interativa da brochura

SABER +
Imagem sobre Região Alentejo em números - 2016 08-02-2018

Região Alentejo em números - 2016

 

Brochura bilingue (português e inglês) contendo informação estatística de síntese para cada região NUTS II de Portugal continental, organizada em mais de vinte subcapítulos agrupados em quatro domínios: O Território, As Pessoas, A Atividade Económica e O Estado. A apresentação da informação maioritariamente através de mapas temáticos e gráficos permite captar a realidade socioeconómica de cada uma das regiões no contexto nacional e dos respetivos municípios.


Está também disponível a edição interativa da brochura

SABER +
Imagem sobre Região Algarve em números - 2016 08-02-2018

Região Algarve em números - 2016

 

Brochura bilingue (português e inglês) contendo informação estatística de síntese para cada região NUTS II de Portugal continental, organizada em mais de vinte subcapítulos agrupados em quatro domínios: O Território, As Pessoas, A Atividade Económica e O Estado. A apresentação da informação maioritariamente através de mapas temáticos e gráficos permite captar a realidade socioeconómica de cada uma das regiões no contexto nacional e dos respetivos municípios.


Está também disponível a edição interativa da brochura

SABER +
Imagem sobre Empresas em Portugal - 2016 08-02-2018

Empresas em Portugal - 2016

 

Com a publicação Empresas em Portugal 2016, o Instituto Nacional de Estatística atualiza os principais indicadores estatísticos caracterizadores da estrutura e evolução do setor empresarial português, para o período 2008-2016, obtidos a partir do Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE).
Para uma mais fácil consulta, os quadros de resultados deixaram de fazer parte integrante do documento PDF da publicação, sendo disponibilizados separadamente em ficheiros XLSX para os indicadores demográficos, económicos e patrimoniais do total de empresas e das empresas não financeiras em Portugal:
1) Indicadores Demográficos das Empresas em Portugal, 2008-2016;
2) Indicadores Económicos e Patrimoniais das Empresas em Portugal, 2008-2016;
3) Indicadores Demográficos das Empresas Não Financeiras em Portugal, 2008-2016;
4) Indicadores Económicos e Patrimoniais das Empresas Não Financeiras em Portugal, 2008-2016.

SABER +
Imagem sobre REVSTAT - Statistical Journal 07-02-2018

REVSTAT - Statistical Journal

 

 

REVSTAT - Statistical Journal (Vol.16 Number 1 - January 2018)


Publicação de artigos de relevante conteúdo científico, abrangendo todos os ramos da Probabilidade e da Estatística, e que oferece um contributo efetivo para o esclarecimento e a divulgação de métodos estatísticos inovadores fundamentados em problemas reais.  Edição em língua inglesa.

SABER +
Imagem sobre Boletim Mensal de Estatística - Dezembro de 2017 24-01-2018

Boletim Mensal de Estatística - Dezembro de 2017

O Boletim Mensal de Estatística, contém os principais dados estatísticos mensais e trimestrais organizados nos seguintes capítulos: Contas Nacionais Trimestrais; População e Condições Sociais; Agricultura, Produção Animal e Pesca; Indústria e Construção; Comércio Interno e Internacional; Serviços; Finanças e Empresas; Comparações Internacionais.

SABER +
Imagem sobre Portugal em números - 2016 22-01-2018

Portugal em números - 2016

 

Brochura bilingue (português e inglês) contendo informação estatística de síntese sobre Portugal organizada em quatro áreas: o território, as pessoas, a atividade económica e o estado.


Está também disponível a edição interativa da brochura

SABER +
Imagem sobre Boletim Mensal da Agricultura e Pescas - Janeiro de 2018 22-01-2018

Boletim Mensal da Agricultura e Pescas - Janeiro de 2018

O Boletim Mensal da Agricultura e Pescas divulga um conjunto de informação conjuntural relativa ao sector primário. A estrutura desta publicação proporciona, através de dados, gráficos e tabela disponibilizados, uma oportunidade de acompanhar estas temáticas e analisar a evolução através das séries cronológicas apresentadas. A análise qualitativa é acompanhada por alguns elementos gráficos.


Nota: Até Fevereiro de 2009 editado com o título:Boletim mensal da agricultura e pescas e agro-indústria

SABER +
#