CALENDÁRIO +Info...

Sexta-Feira, 1 de Dezembro de 2017

Segunda-Feira, 4 de Dezembro de 2017

  • ITRM 2017 - 47ª Semana: Últ. dia

Domingo, 10 de Dezembro de 2017

  • IMPI 2017 - Nov: Últ. dia
  • IVNE 2017 - Nov: Últ. dia

Segunda-Feira, 11 de Dezembro de 2017

  • ITRM 2017 - 48ª Semana: Últ. dia

Terça-Feira, 12 de Dezembro de 2017

  • ICC 2017 - Dez: Últ. dia
  • ICCOP 2017 - Dez: Últ. dia
  • ICIT 2017 - Dez: Últ. dia
  • ICS 2017 - Dez: Últ. dia

Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017

Segunda-Feira, 18 de Dezembro de 2017

  • ITRM 2017 - 49ª Semana: Últ. dia

Quarta-Feira, 20 de Dezembro de 2017

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2017

  • IMGA 2017 - Nov: Últ. dia
  • IMLV 2017 - Nov: Últ. dia

Segunda-Feira, 25 de Dezembro de 2017

  • ITRM 2017 - 50ª Semana: Últ. dia

Quarta-Feira, 27 de Dezembro de 2017

  • IPMC 2017 - Dez: Últ. dia
  • IPPI 2017 - Dez: Últ. dia

INFORMAÇÕES

O conhecimento de informação estatística fiável, pertinente e atual é indispensável à tomada de decisão a todos os níveis. A sua colaboração na resposta aos inquéritos do INE é decisiva para a produção e difusão das estatísticas oficiais.

EM DESTAQUE

0235
O INE deseja-lhe um Feliz Natal e um 2018 com 100% de sucesso
  • <
  • 1 de 30
  • >
Imagem sobre Taxa de variação homóloga do IPC aumentou para 1,5% 14-12-2017

Taxa de variação homóloga do IPC aumentou para 1,5%

A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi de 1,5% em novembro de 2017, taxa superior em 0,1 pontos percentuais (p.p.) à do mês anterior. O indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) registou uma variação homóloga de 1,1%, valor inferior em 0,2 p.p. ao registado em outubro, sobretudo devido à desaceleração dos preços da classe dos Restaurantes e hotéis (classe 11).
A variação mensal do IPC foi de -0,3% (0,3% no mês precedente e -0,5% em novembro de 2016). A variação média dos últimos doze meses fixou-se em 1,3%, taxa superior em 0,1 p.p. à registada no mês anterior.
O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma variação homóloga de 1,8%, valor inferior em 0,1 p.p. ao mês anterior e superior em 0,3 p.p. à estimativa do Eurostat para a área do Euro (em outubro, esta diferença situou-se em 0,5 p.p.). O IHPC registou uma variação mensal de -1,1% (0,5% no mês anterior e -1,0% em novembro de 2016) e uma variação média dos últimos doze meses de 1,5% (1,4% em outubro).

SABER +
Imagem sobre Edifícios licenciados com crescimento de 6,7% e edifícios concluídos com aumento de 23,2% 14-12-2017

Edifícios licenciados com crescimento de 6,7% e edifícios concluídos com aumento de 23,2%

No 3º trimestre de 2017 os edifícios licenciados aumentaram 6,7% face ao período homólogo (+8,6% no 2º trimestre de 2017), correspondendo a 4,5 mil edifícios. Nos edifícios licenciados para construções novas registou-se um acréscimo de 14,7% (+13,6% no 2º trimestre de 2017), enquanto no licenciamento para reabilitação se registou uma diminuição de 5,4% (-0,3% no 2º trimestre de 2017). Os edifícios concluídos registaram um aumento de 23,2% (+12,2% no 2º trimestre de 2017) perfazendo 3,3 mil edifícios.
Comparativamente com o trimestre anterior, o número de edifícios licenciados diminuiu 4,7% (-5,9% no 2º trimestre de 2017) enquanto nos edifícios concluídos se observou uma variação de +14,8% (+0,2% no 2º trimestre de 2017).

SABER +
Imagem sobre O Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,3% da média da União Europeia em 2016, valor ligeiramente superior ao observado em 2015 14-12-2017

O Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,3% da média da União Europeia em 2016, valor ligeiramente superior ao observado em 2015

O Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,3% da média da União Europeia em 2016, valor ligeiramente superior ao observado em 2015.

SABER +
Imagem sobre Rendimento da Atividade Agrícola deverá decrescer 2,4% 13-12-2017

Rendimento da Atividade Agrícola deverá decrescer 2,4%

De acordo com a primeira estimativa das Contas Económicas da Agricultura (CEA) para 2017, o Rendimento da atividade agrícola, em termos reais, por unidade de trabalho ano (UTA), deverá registar um decréscimo de 2,4%, após um crescimento de 17,5% observado em 2016. Esta diminuição foi determinada pela expressiva redução dos Outros subsídios à produção (-25,4%), tendo o Valor acrescentado bruto (VAB) aumentado 4,5% (diminuição de 1,5% em 2016).

SABER +
Imagem sobre Volume de Negócios nos Serviços abrandou 13-12-2017

Volume de Negócios nos Serviços abrandou

O índice de volume de negócios nos serviços passou de um crescimento homólogo de 6,1% em setembro para 4,7% em outubro.
Os índices de emprego e de remunerações brutas aumentaram ambos 4,0% (3,5% e 4,1% em setembro, respetiva-mente), enquanto o índice de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário apresentou uma variação homóloga de 4,1% (3,4% no mês anterior).

SABER +
Imagem sobre Produção na Construção mantém evolução positiva 12-12-2017

Produção na Construção mantém evolução positiva

O Índice de Produção na Construção registou em outubro uma variação homóloga de 2,6% (2,5% no período ante-rior). Os índices de emprego e de remunerações aumentaram 2,7% e 4,1% (2,2% e 2,3%, em setembro), pela mesma ordem.

SABER +
Imagem sobre Espetáculos ao vivo: aumento de 43% nas receitas e 19% no número de espectadores 12-12-2017

Espetáculos ao vivo: aumento de 43% nas receitas e 19% no número de espectadores

Nos espetáculos ao vivo as receitas de bilheteira aumentaram 42,6%, atingindo um valor total de 85 milhões de euros em 2016. O número de espectadores aumentou 18,8%, totalizando 14,8 milhões.
Os museus registaram 15,5 milhões de visitantes, mais 1,9 milhões do que no ano anterior. Este aumento deve-se, na sua maioria, aos visitantes estrangeiros (+1,5 milhões).
Os jornais e revistas, entre outras publicações periódicas, perderam 28,0% de circulação total e 17,6% nos exemplares vendidos.
O cinema teve, em 2016, perto de 15 milhões de espectadores, tendo obtido receitas de bilheteira de 77,2 milhões de euros; em ambos os casos, estes valores representam um aumento de cerca de 3% face ao ano anterior.
Participação da população residente, dos 18 aos 69 anos, em atividades culturais:
• 67,2% assistiu a pelo menos um espetáculo ao vivo;
• 55,0% leu jornais ou revistas, em papel ou na internet;
• 46,4% visitou locais culturais, como museus, monumentos e galerias de arte;
• 45,6% foi pelo menos uma vez ao cinema;
• 38,8% leu pelo menos um livro, como atividade de lazer.
As famílias gastaram em média 845 euros por ano em Lazer recreação e cultura, o que representa 4,2% da sua despesa total.
A população empregada no sector cultural e criativo é mais jovem e escolarizada do que no total da economia. Em 2016 trabalhavam neste sector 81,7 mil pessoas, o que significa uma diminuição de 4,1%, face ao ano anterior.
O Volume de Negócios das empresas do sector cultural e criativo atingiu 4,7 mil milhões de euros em 2015 (mais 5,1% do que no ano anterior). Este sector integrava 52 827 empresas, tendo aumentado 2 156 empresas face a 2014.
Em termos de comércio internacional este sector foi deficitário, em 2016, em cerca de 116,4 milhões de euros: o valor das exportações de bens culturais foi 39,5 milhões de euros (- 30,5% do que no ano anterior) e o valor das importações ultrapassou 155,9 milhões de euros (+ 4,3% face a 2015).
A despesa das Câmaras Municipais em atividades culturais e criativas foi de 385,7 milhões de euros, tendo diminuído 1,7% em relação a 2015.

SABER +
Imagem sobre As exportações e importações aumentaram 11,8% e 21,4%, respetivamente, em termos nominais 11-12-2017

As exportações e importações aumentaram 11,8% e 21,4%, respetivamente, em termos nominais

Em outubro de 2017, as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de, respetivamente, +11,8% e +21,4% (+5,7% e +8,5% em setembro de 2017, pela mesma ordem).
Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, as exportações aumentaram 13,0% e as importações cresceram 19,9% (respetivamente +4,1% e +7,9% em setembro de 2017).
O défice da balança comercial de bens foi de 1 536 milhões de euros em outubro de 2017, o que representa um acréscimo de 613 milhões de euros face ao mês homólogo de 2016. Excluindo os Combustíveis e lubrificantes a balança comercial atingiu um saldo negativo de 1 066 milhões de euros, correspondente a um aumento de 409 milhões de euros em relação ao mesmo mês de 2016.
No trimestre terminado em outubro de 2017, as exportações e as importações de bens aumentaram respetivamente 10,2% e 14,1% face ao período homólogo.

SABER +
Imagem sobre Volume de Negócios na Indústria acelerou 11-12-2017

Volume de Negócios na Indústria acelerou

O Índice de Volume de Negócios na Indústria apresentou, em termos nominais, um crescimento homólogo de 11,4% (7,0% em setembro). Os índices relativos ao mercado nacional e ao mercado externo registaram aumentos, respetivamente, de 8,8% e 15,2% (6,5% e 7,6% no mês anterior, pela mesma ordem).
As variações homólogas dos índices do emprego, das remunerações e das horas trabalhadas situaram-se em 3,7%, 4,8% e 2,7% (3,4%, 5,7% e 3,0% em setembro), respetivamente.

SABER +
Imagem sobre Portugal atraiu 18,2 milhões de movimentos de entrada de turistas 07-12-2017

Portugal atraiu 18,2 milhões de movimentos de entrada de turistas

De acordo com os resultados do Inquérito ao Turismo Internacional, executado pelo INE nas principais fronteiras aéreas, rodoviárias e marítimas, estima-se que as entradas de turistas (não residentes) em Portugal totalizaram 18,2 milhões em 2016. A este número acrescem 10,1 milhões de entradas de excursionistas (visitantes sem dormida), atingindo-se um total de 28,3 milhões de entradas de visitantes.
Do total de entradas de turistas, destacaram-se 4,7 milhões com residência em Espanha (25,6% do total), 3,1 milhões no Reino Unido (17,2%), 2,7 milhões em França (14,7%) e 1,6 milhões na Alemanha (8,5%).
A Espanha abrangeu 74,0% das chegadas de excursionistas a Portugal, correspondendo a 7,5 milhões de entradas, seguindo-se o Reino Unido com 9,0% e a França com 5,2%.
As fronteiras aéreas foram utilizadas em 73,1% das entradas de turistas e 1,6% das de excursionistas. Por estrada registaram-se 26,8% das entradas de turistas e 88,8% das de excursionistas. A via marítima (navios de cruzeiro) proporcionou a Portugal a entrada de cerca de 1 milhão de excursionistas (9,7% do total).
Verificou-se que 70,3% das entradas de turistas não residentes foram motivadas por lazer, recreio ou férias, enquanto 19,9% teve por objetivo principal a visita a familiares e amigos, tendo os motivos profissionais originado 7,7% das entradas.

SABER +
Imagem sobre Em 2016, o VAB gerado pelo turismo representou 7,1% do VAB nacional 07-12-2017

Em 2016, o VAB gerado pelo turismo representou 7,1% do VAB nacional

Estima-se que, em 2016, o VAB gerado pelo turismo tenha atingido 7,1% do VAB da economia nacional, aumentando cerca de 10% em termos nominais, sucedendo a um aumento de 7,1% em 2015. Recorde-se que em 2015 e 2016 o crescimento nominal do VAB na economia nacional foi, respetivamente, 3,6% e 2,7%.
O consumo do turismo no território económico atingiu 12,5% do PIB, tendo aumentado 5,8% em 2016 e 5,9% em 2015.
As exportações de turismo corresponderam, em média, a 18,4% do total das exportações nacionais em 2014 e 2015.
No biénio 2014/2015 o emprego nas atividades caraterísticas do turismo representou, em média, 9,1% do total do emprego nacional.

SABER +
Imagem sobre Custos de construção mantêm variação homóloga de 1,6% pelo terceiro mês consecutivo 06-12-2017

Custos de construção mantêm variação homóloga de 1,6% pelo terceiro mês consecutivo

A variação homóloga do Índice de Custos de Construção de Habitação Nova foi 1,6% em outubro, taxa igual à registada nos dois meses anteriores. O Índice de Preços de Manutenção e Reparação Regular da Habitação aumentou 1,3%, menos uma décima de ponto percentual (p.p.) que a observado no mês anterior.

SABER +
Imagem sobre Valor dos serviços prestados às empresas cresceu 4,4%, em termos nominais, e pessoal ao serviço aumentou 4,1% 04-12-2017

Valor dos serviços prestados às empresas cresceu 4,4%, em termos nominais, e pessoal ao serviço aumentou 4,1%

Em 2016, o valor dos ‘Serviços Prestados às Empresas’ (SPE)  cresceu 4,4% (2,7% em 2015), tendo atingido 13 798 milhões de euros. As 110 891 empresas que prestaram estes serviços, empregaram 367 486 pessoas (+4,1% que no ano anterior, após +5,6% em 2015) e geraram um VAB de 7 870 milhões de euros (+5,5%; +1,8% em 2015). O Excedente Bruto de Exploração (EBE), registou um aumento de 8,4% face ao ano anterior (-3,9% em 2015), ascendendo a 2 255 milhões de euros.
A ‘Publicidade’ (cuja principal atividade respeita à Venda de espaço ou tempo publicitário por conta de terceiros) evidenciou-se como o sector que mais aumentou o valor da prestação de serviços em 2016 (+8,7% que em 2015), atingindo os 1 410 milhões de euros. O setor das ‘Atividades de emprego’, nomeadamente, os Serviços das empresas de trabalho temporário que representam cerca de 75% do total do setor, foi o que maior contributo deu para o crescimento do número de pessoas ao serviço em 2016 (+7,0%), confirmando a tendência do biénio anterior (10,7% em 2015 e 9,7% em 2014).
A Consultoria Informática revelou-se, uma vez mais, como o mais importante serviço oferecido no âmbito dos SPE, registando um crescimento de 9,6% (claramente superior ao crescimento da totalidade dos serviços: +4,4%), passando a representar 10,3% do total dos serviços prestados. Os Serviços de programação informática e os Serviços completos de publicidade, com crescimentos de 14,9% e 14,2%, respetivamente, destacaram-se igualmente pela positiva, no decurso de 2016.

SABER +
Imagem sobre Produção Industrial manteve variação homóloga positiva 30-11-2017

Produção Industrial manteve variação homóloga positiva

O índice de produção industrial registou uma variação homóloga de 3,5% em outubro (3,8% em setembro). A secção das Indústrias Transformadoras apresentou uma variação homóloga de 5,1% (3,5% no mês anterior).

SABER +
Imagem sobre O risco de pobreza reduziu-se para 18,3% 30-11-2017

O risco de pobreza reduziu-se para 18,3%

O Inquérito às Condições de Vida e Rendimento, realizado em 2017 sobre rendimentos do ano anterior, indica que 18,3% das pessoas estavam em risco de pobreza em 2016, valor inferior ao de 2015 (19,0%). A taxa de risco de pobreza correspondia, em 2016, à proporção de habitantes com rendimentos monetários líquidos (por adulto equivalente) inferiores a 5 442 euros anuais (454 euros por mês).
A redução do risco de pobreza entre 2015 e 2016 abrangeu em especial as/os menores de 18 anos, de 22,4% para 20,7% em 2016, e a população idosa de 18,3% para 17,0%. A taxa de pobreza para a população adulta em idade ativa reduziu-se ligeiramente, de 18,2% em 2015 para 18,1% em 2016.
As mulheres continuam a ser mais afetadas pela insuficiência de recursos, com um risco de pobreza de 18,7% face a 17,8% para os homens.
A existência de crianças num agregado familiar continua a estar associada a um risco de pobreza acrescido, sendo de 19,7% para as famílias com crianças dependentes e de 16,9% para as famílias sem crianças dependentes. Em 2016, as famílias com dois adultos e três ou mais crianças dependentes, e as famílias com um adulto e pelo menos uma criança dependente, continuavam a ser as mais atingidas pelo risco de pobreza (41,4% e 33,1%, respetivamente).
O contributo das transferências sociais, relacionadas com a doença e incapacidade, família, desemprego e inclusão social para a redução do risco de pobreza foi de 5,3 pontos percentuais (p.p.) em 2016, inferior ao valor observado em 2015 (6,1 p.p.).
Reduziu-se ligeiramente a desigualdade na distribuição dos rendimentos: o coeficiente de Gini diminuiu de 33,9% em 2015 para 33,5% em 2016, e o rácio S80/S20 de 5,9 em 2015 para 5,7 em 2016.
Em 2017, há menos pessoas em privação material (18,0%, que compara com 19,5% em 2016) e em privação material severa (6,9%, que compara com 8,4% em 2016).

SABER +
Imagem sobre Produto Interno Bruto aumentou 2,5% em termos homólogos 30-11-2017

Produto Interno Bruto aumentou 2,5% em termos homólogos

O Produto Interno Bruto (PIB) aumentou, em termos homólogos, 2,5% em volume no 3º trimestre de 2017 (3,0% no trimestre anterior). O contributo positivo da procura interna para a variação homóloga do PIB aumentou, verificando-se uma aceleração do consumo privado e um abrandamento do Investimento. O contributo da procura externa líquida foi negativo, contrariamente ao registado no trimestre anterior, refletindo a desaceleração em volume das Exportações de Bens e Serviços e a aceleração das Importações de Bens e Serviços.
Comparativamente com o 2º trimestre de 2017, o PIB aumentou 0,5% em termos reais, mais 0,2 pontos percentuais que no trimestre anterior. O contributo da procura interna aumentou ligeiramente no 3º trimestre, tendo-se observado um crescimento do consumo privado e uma redução do Investimento, contrariamente ao verificado no trimestre anterior. O contributo negativo da procura externa líquida para a variação em cadeia do PIB manteve-se inalterado, observando-se um aumento das Importações de Bens e Serviços superior ao das Exportações de Bens e Serviços.

SABER +
Imagem sobre Vendas no Comércio a Retalho abrandaram 30-11-2017

Vendas no Comércio a Retalho abrandaram

O Índice de Volume de Negócios no Comércio a Retalho variou 1,8% em termos homólogos (4,4% em setembro). Os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas ajustadas de efeitos de calendário, apresentaram crescimentos de 3,8%, 2,9% e 1,5%, respetivamente (3,4%, 5,3% e 1,4% em setembro, pela mesma ordem).

SABER +
Imagem sobre A taxa de desemprego de setembro foi de 8,5% 29-11-2017

A taxa de desemprego de setembro foi de 8,5%

A taxa de desemprego de setembro de 2017 situou-se em 8,5%, menos 0,3 pontos percentuais (p.p.) do que no mês anterior e menos 0,6 p.p. em relação a três meses antes. Aquele valor representa uma revisão de menos 0,1 p.p. face à estimativa provisória divulgada há um mês e ter-se-á de recuar até abril de 2008 para encontrar uma taxa tão baixa quanto esta.
A população desempregada de setembro foi estimada em 439,8 mil pessoas, tendo diminuído 2,6% em relação ao mês precedente (menos 11,9 mil pessoas), enquanto a população empregada foi estimada em 4 715,1 mil pessoas, tendo aumentado 0,1% (mais 6,2 mil pessoas) face ao mês anterior.
A estimativa provisória da taxa de desemprego de outubro de 2017 foi de 8,5%. Neste mês, a estimativa provisória da população desempregada foi de 436,9 mil pessoas e a da população empregada foi de 4 711,2 mil pessoas.

SABER +
Imagem sobre Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico estabiliza 29-11-2017

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico estabiliza

O indicador de confiança dos Consumidores aumentou em outubro e novembro, após ter interrompido nos dois meses anteriores a trajetória positiva observada desde o início de 2013.
O indicador de clima económico estabilizou nos últimos três meses, depois de ter diminuído em agosto. Em novembro, os indicadores de confiança aumentaram na Indústria Transformadora, nos Serviços e no Comércio, tendo diminuído na Construção e Obras Públicas.

SABER +
Imagem sobre Valor médio de avaliação bancária manteve tendência de crescimento 28-11-2017

Valor médio de avaliação bancária manteve tendência de crescimento

O valor médio de avaliação bancária para o total do País fixou-se em 1 141 euros por metro quadrado (euros/m2) em outubro, 6 euros superior ao observado em setembro. Este valor representa um aumento de 0,5% em relação ao regis-tado no mês precedente e 5,6% face ao mesmo mês do ano anterior.

SABER +
Imagem sobre Índice de bem-estar : 2004-2016 15-12-2017

Índice de bem-estar : 2004-2016

 

Esta publicação apresenta os resultados mais atuais do Índice de bem-estar para Portugal, a análise, para o período de 2004-2016, das principais características e dos aspetos multidimensionais que integram o índice, bem como a metainformação que lhe está subjacente.


Apresentam-se em primeiro lugar os resultados do Índice de Bem-estar para o período 2004 a 2016, os quais são analisados do ponto de vista global e por domínio, segundo cada uma das duas perspetivas de análise: condições materiais de vida e qualidade de vida.


Em segundo lugar esboça-se uma contextualização deste projeto estatístico e apresenta-se um conjunto de notas fundamentais sobre a sua metodologia.

SABER +
Imagem sobre Estatísticas da Cultura - 2016 12-12-2017

Estatísticas da Cultura - 2016

O Instituto Nacional de Estatística divulga a publicação Estatísticas da Cultura - 2016, que disponibiliza informação  sobre diversos temas e domínios culturais: ensino; emprego; índice de preços no consumidor de bens e serviços culturais; participação cultural, despesas das famílias em lazer, recreação e cultura, empresas do sector cultural e criativo; comércio internacional de bens culturais; património cultural; artes plásticas; materiais impressos e de literatura; cinema; artes do espetáculo; radiodifusão e financiamento das atividades culturais e criativas.
Os dados mais recentes referem-se ao ano de 2016, exceto os relativos às empresas com atividade nas áreas culturais e criativas, que respeitam a 2015.

SABER +
Imagem sobre Portugal - 2016 29-11-2017

Portugal - 2016

O Instituto Nacional de Estatística divulga uma publicação que sintetiza traços relevantes sobre as estruturas que compõem o sistema demográfico, social e económico de Portugal. A publicação está dividida nas seguintes partes:


Enquadramento populacional, Enquadramento socioeconómico (população ativa, emprego e desemprego, rendimento e condições de vida das famílias, educação e saúde) e Atividade económica (empresas, comércio internacional, contas nacionais, preços e administrações públicas).


Ao longo do texto, é analisada a evolução de indicadores em Portugal desde 1990 a 2016, por vezes comparada com a da União Europeia. Esta publicação, bem como a informação estatística que suporta a análise e os gráficos apresentados, é disponibilizada em formato PDF, XLSX e CSV, podendo ser consultada e exportada no portal do INE (www.ine.pt).


Está também disponível a edição interativa da publicação

SABER +
Imagem sobre Inquérito à estrutura das explorações agrícolas - 2016 28-11-2017

Inquérito à estrutura das explorações agrícolas - 2016

 

O Inquérito à Estrutura das Explorações Agrícolas 2016 completa o ciclo de inquéritos estruturais previstos no Regulamento (CE) N.º 1166/2008 e precede ao próximo recenseamento agrícola. Tem como objetivo caracterizar a agricultura portuguesa, nomeadamente a estrutura fundiária, os sistemas produtivos e a mão-de-obra e população agrícolas.


Esta publicação, com dados estatísticos e análise de resultados relativos à estrutura das explorações agrícolas em Portugal, inclui comparações, sempre que se afigura oportuno, com a informação estrutural retrospetiva.


Espera-se que esta publicação constitua uma referência para o melhor conhecimento da agricultura portuguesa e possa contribuir para a promoção do debate e reflexão sobre o setor, particularmente oportunas uma vez que os resultados constituem uma das principais fontes de informação na monitorização e avaliação das medidas implementadas pela atual política agrícola comum (PAC), estando o relatório inicial que a Comissão deverá apresentar ao Parlamento Europeu e ao Conselho, previsto para 31 de dezembro de 2018.

SABER +
Imagem sobre Boletim Mensal de Estatística - Outubro de 2017 23-11-2017

Boletim Mensal de Estatística - Outubro de 2017

O Boletim Mensal de Estatística, contém os principais dados estatísticos mensais e trimestrais organizados nos seguintes capítulos: Contas Nacionais Trimestrais; População e Condições Sociais; Agricultura, Produção Animal e Pesca; Indústria e Construção; Comércio Interno e Internacional; Serviços; Finanças e Empresas; Comparações Internacionais.

SABER +
Imagem sobre Boletim Mensal da Agricultura e Pescas - Novembro de 2017 22-11-2017

Boletim Mensal da Agricultura e Pescas - Novembro de 2017

O Boletim Mensal da Agricultura e Pescas divulga um conjunto de informação conjuntural relativa ao sector primário. A estrutura desta publicação proporciona, através de dados, gráficos e tabela disponibilizados, uma oportunidade de acompanhar estas temáticas e analisar a evolução através das séries cronológicas apresentadas. A análise qualitativa é acompanhada por alguns elementos gráficos.

Nota: Até Fevereiro de 2009 editado com o título:Boletim mensal da agricultura e pescas e agro-indústria

SABER +
Imagem sobre Nomenclatura combinada - 2018 22-11-2017

Nomenclatura combinada - 2018

A Nomenclatura Combinada (NC) é a nomenclatura das mercadorias da Comunidade Europeia que satisfaz as exigências das estatísticas do comércio internacional (intra e extracomunitário) e da pauta aduaneira comum, nos termos do artigo 9º do Tratado que institui a Comunidade Económica Europeia.
A presente publicação, destinada aos responsáveis pelo fornecimento da informação no domínio do comércio internacional, contém toda a NC, com exceção dos direitos aduaneiros e das correspondentes indicações complementares.

SABER +
Imagem sobre Estatísticas da Produção Industrial - 2016 20-11-2017

Estatísticas da Produção Industrial - 2016

A presente publicação divulga as estatísticas da produção industrial em termos de produtos produzidos (em volume), de produtos vendidos (em volume e valor) e de prestação de serviços (em valor), relativas a 2016, elaboradas a partir dos resultados do Inquérito Anual à Produção Industrial.
Esta caracterização da produção industrial utiliza metodologias e listas de produtos harmonizadas no âmbito da União Europeia, de acordo com o Regulamento (CEE) nº 3924/91, de 1991.12.19 e o Regulamento (CE) nº 912/2004, de 2004.04.29.
A partir de 2012 o IAPI tem melhoria de cobertura e novo processo de apuramento, motivos pelos quais os dados não são diretamente comparáveis com anos anteriores. Para uma melhor interpretação dos resultados, recomenda-se a leitura da Nota Metodológica, Conceitos e Definições.

SABER +
Imagem sobre Estudo sobre o Poder de Compra Concelhio - 2015 10-11-2017

Estudo sobre o Poder de Compra Concelhio - 2015

 

Esta publicação caracteriza os municípios portugueses sob o ponto de vista do poder de compra, a partir de um conjunto de indicadores resultantes de um modelo de análise fatorial: o Indicador per Capita de poder de compra (IpC), a Percentagem de Poder de Compra (PPC), indicador derivado do IpC, e o Fator Dinamismo Relativo (FDR). A grande vantagem dos indicadores construídos no âmbito deste estudo decorre de constituírem informação à escala municipal, para a qual não existem, no sistema estatístico português, medidas quantificadas deste tipo de variáveis.


A publicação é acompanhada por uma aplicação (ver aplicaçãoEPCC2015) que permite calcular o valor de qualquer um dos três indicadores para outras divisões geográficas, como a versão anterior da NUTS e os distritos, bem como para qualquer outro agrupamento de municípios escolhido pelo utilizador, incluindo também facilidades de exportação dos dados para uma folha de cálculo.

SABER +
Imagem sobre Estatísticas dos Transportes e Comunicações - 2016 09-11-2017

Estatísticas dos Transportes e Comunicações - 2016

 

 

Na presente publicação o INE divulga os principais resultados estatísticos sobre a atividade dos setores de Transportes e Comunicações em 2016.


Transporte ferroviário: apresentam-se os resultados dos inquéritos do INE sobre a infraestrutura ferroviária e equipamento de transporte, informação económica sobre as empresas e dados de transporte ferroviário pesado e ligeiro. Transporte rodoviário: difundem-se estatísticas sobre infraestruturas rodoviárias, sinistralidade, consumo de combustíveis, parque de veículos presumivelmente em circulação e vendas de veículos, bem como os resultados dos inquéritos ao transporte rodoviário de mercadorias e de passageiros; são também divulgados, pela 1ª vez, dados sobre a emissão de cartas de condução (IMT). Transporte marítimo e fluvial: apresentam-se os principais resultados do inquérito dirigido às administrações portuárias, sobre movimento de navios, mercadorias e passageiros; são ainda apresentados os resultados detalhados do inquérito ao transporte fluvial de passageiros e veículos. Transporte aéreo: inclui-se informação referente à atividade das empresas portuguesas do setor, resultados detalhados de tráfego aeroportuário e dados sobre navegação aérea. Transporte por conduta: são apresentadas estatísticas com base em informações obtidas junto das empresas com atividade no transporte em gasoduto e oleoduto. Comunicações: são abrangidos os setores de telecomunicações e serviços postais.


Nesta publicação está também disponível um capítulo de enquadramento económico e ainda estatísticas do comércio internacional por modos de transporte.

SABER +
#