CALENDÁRIO +Info...

Quinta-Feira, 1 de Abril de 2021

Segunda-Feira, 5 de Abril de 2021

  • ITENF 2021 - 1º Trim: Início
  • ITRM 2021 - 12ª Semana: Últ. dia

Sexta-Feira, 9 de Abril de 2021

Sábado, 10 de Abril de 2021

  • ICC 2021 - Abr: Últ. dia
  • ICCOP 2021 - Abr: Últ. dia
  • ICIT 2021 - Abr: Últ. dia
  • ICS 2021 - Abr: Últ. dia
  • IMPI 2021 - Mar: Últ. dia
  • IPHH 2021 - Mar: Últ. dia
  • IVNE 2021 - Mar: Últ. dia

Segunda-Feira, 12 de Abril de 2021

  • ISBSA 2020: Início
  • ITRM 2021 - 13ª Semana: Últ. dia

Quarta-Feira, 14 de Abril de 2021

  • ICI 2021 - Abril: Últ. dia

Quinta-Feira, 15 de Abril de 2021

Segunda-Feira, 19 de Abril de 2021

Terça-Feira, 20 de Abril de 2021

Quinta-Feira, 22 de Abril de 2021

Domingo, 25 de Abril de 2021

  • IMAAC 2021 - Mar: Últ. dia
  • IMVC 2021 - Mar: Últ. dia
  • IPMC 2021 - Abr: Últ. dia
  • IPPI 2021 - Abr: Últ. dia
  • ITENF 2021 - 1º Trim: Últ. dia

Segunda-Feira, 26 de Abril de 2021

  • ITRM 2021 - 15ª Semana: Últ. dia

Sexta-Feira, 30 de Abril de 2021

INFORMAÇÕES

16-03-2020

Atendimento WebInq - Devido ao COVID-19 estão previstas algumas limitações no serviço de atendimento do WebInq. Sugere-se que privilegie o contacto através do  email: webinq@ine.pt. Agradecemos a vossa compreensão, em particular nestas circunstâncias atípicas e bastante incertas.

13-03-2020

Atenção - Dadas as circunstâncias atuais do COVID-19, o INE decidiu suspender as entrevistas presenciais devido ao risco para os inquiridos e entrevistadores. Manterá a inquirição por via telefónica ou via internet, para os quais apela à boa colaboração dos inquiridos.
 

EM DESTAQUE

2341
INE - Informar, Saber, Decidir
  • <
  • 1 de 30
  • >
Imagem sobre Produção na Construção contraiu 3,4% 13-04-2021

Produção na Construção contraiu 3,4%

O Índice de Produção na Construção diminuiu 3,4% em Fevereiro, 0,8 pontos percentuais mais negativo que o registado em Janeiro. Os índices de emprego e de remunerações apresentaram variações homólogas de -0,7% e 0,6% (variações nula e 0,5%em Janeiro, respetivamente).

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração, que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre Taxa de variação homóloga do IPC manteve-se em 0,5% 13-04-2021

Taxa de variação homóloga do IPC manteve-se em 0,5%

A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) manteve-se em 0,5% em março de 2021. O indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) registou uma variação homóloga de 0,1%, taxa inferior em 0,6 pontos percentuais (p.p.) à registada em fevereiro.
A variação mensal do IPC foi 1,4% (-0,5% no mês precedente e 1,4% em março de 2020). A variação média dos últimos doze meses manteve-se nula.
O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma variação homóloga de 0,1%, taxa inferior em 0,2 p.p. à do mês anterior e inferior em 1,2 p.p. ao valor estimado pelo Eurostat para a área do Euro (em fevereiro de 2021, esta diferença foi 0,6 p.p.).
O IHPC registou uma variação mensal de 1,5% (-0,5% no mês anterior e 1,6% em março de 2020) e uma variação média dos últimos doze meses de -0,2% (valor idêntico ao do mês precedente).

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às suas solicitações. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre Acompanhamento do impacto social e económico da pandemia - 50.º reporte semanal 12-04-2021

Acompanhamento do impacto social e económico da pandemia - 50.º reporte semanal

O INE disponibiliza o reporte semanal para acompanhamento do impacto social e económico da pandemia COVID-19.
O presente reporte versa sobre os destaques relativos a:
- Índice de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria – Janeiro de 2021, publicado a 09 de março;
- Atividade dos Transportes – 4.º Trimestre de 2020, publicado a 09 de março;
- Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego - Pessoas ocupadas em atividades agrícolas para autoconsumo – Janeiro de 2021, publicado a 09 de março;
- Índices de Produção, Emprego, Remunerações na Construção – Janeiro de 2021, publicado a 10 de março;
- Índice de Preços no Consumidor – Fevereiro de 2021, publicado a 10 de março;
- Índice de Custos de Construção de Habitação Nova – Janeiro de 2021, publicado a 11 de março;
- Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços – Janeiro de 2021, publicado a 11 de março;
- Estatísticas do Comércio Internacional – Janeiro de 2021, publicado a 11 de março;
- Indicadores de contexto para a pandemia COVID-19 em Portugal, publicado a 12 de março.
Para maior detalhe, consulte os links, para informação relacionada, disponíveis ao longo do destaque.

SABER +
Imagem sobre Volume de Negócios nos Serviços diminuiu 20,0% 12-04-2021

Volume de Negócios nos Serviços diminuiu 20,0%

O índice de volume de negócios nos serviços acentuou a queda pelo terceiro mês consecutivo, passando de uma variação homóloga nominal de -16,5% em janeiro, para -20,0% em fevereiro, o valor mais negativo desde junho passado. Nos últimos doze meses, marcados pela pandemia COVID-19 em Portugal, o volume de negócios deste setor de atividade sofreu uma redução média de 18,8%.
Os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, apresentaram variações homólogas de -9,5%, -8,3% e -25,0%, respetivamente (-8,5%, -7,6% e -16,5% em janeiro, pela mesma ordem). A redução homóloga do pessoal ao serviço foi a mais intensa desde janeiro 2006 e desde maio de 2020 que a redução das horas trabalhadas não tinha sido tão expressiva, sendo a contração média dos últimos doze 16,0%.

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração, que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre As exportações aumentaram 2,8% e as importações diminuíram 10,9% em fevereiro, em termos nominais 09-04-2021

As exportações aumentaram 2,8% e as importações diminuíram 10,9% em fevereiro, em termos nominais

Em fevereiro de 2021, as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de +2,8% e -10,9%, respetivamente (-9,8% e -16,6%, pela mesma ordem, em janeiro de 2021). Destaca-se o acréscimo das exportações de Fornecimentos industriais (+6,7%) e o decréscimo das importações de Material de transporte (-35,0%).
Excluindo Combustíveis e lubrificantes, as exportações aumentaram 2,3% e as importações diminuíram 10,4% (-7,2% e -12,0%, respetivamente, em janeiro de 2021).
O défice da balança comercial de bens diminuiu 837 milhões de euros face ao mês homólogo de 2020, atingindo 708 milhões de euros em fevereiro de 2021. Excluindo Combustíveis e lubrificantes, o défice diminuiu 694 milhões de euros, atingindo 435 milhões de euros.
No trimestre terminado em fevereiro de 2021, as exportações e as importações de bens diminuíram respetivamente 4,8% e 11,3% relativamente ao mesmo período de há um ano atrás (-5,8% e -11,6%, pela mesma ordem, no trimestre terminado em janeiro de 2021).
Este mês encerra um período de um ano, de março de 2020 a fevereiro de 2021, em que a pandemia COVID-19 afetou significativamente a atividade económica. Nesse período, em comparação com os 12 meses anteriores, as exportações e importações nominais de bens sofreram variações, respetivamente, de -11,1% e -17,5% – ver caixa neste destaque.

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre Volume de Negócios na Indústria atenuou redução homóloga para -2,8% 09-04-2021

Volume de Negócios na Indústria atenuou redução homóloga para -2,8%

O Índice de Volume de Negócios na Indústria registou uma variação homóloga nominal de -2,8% em fevereiro (-8,9% no mês precedente). Sem o agrupamento de Energia, as vendas recuaram 4,2% (-8,1% em janeiro). Os índices relativos ao mercado nacional e ao mercado externo diminuíram 2,4% e 3,4% respetivamente (-5,8% e -13,2% no mês anterior, pela mesma ordem).
O emprego, as remunerações e as horas trabalhadas apresentaram variações homólogas de -2,5%, 0,3% e -11,2%, respetivamente (-2,7%, -1,7% e -7,1% em janeiro).

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração, que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre COVID-19: uma leitura do contexto demográfico e da expressão territorial da pandemia - Dados até 7 de abril 09-04-2021

COVID-19: uma leitura do contexto demográfico e da expressão territorial da pandemia - Dados até 7 de abril

• No dia 7 de abril, registaram-se 3 319 novos casos nos últimos 7 dias, correspondendo a uma média diária de 474 novos casos. A partir de 16 de março verifica-se pontualmente um aumento do número de novos casos nos últimos 7 dias, registando os dois dias mais recentes (6 e 7 de abril), taxas de variação positivas. Desde o início do ano de 2021, o valor mais baixo neste indicador foi registado no dia 27 de março, 2 877 novos casos nos últimos 7 dias, aos quais correspondem uma média diária de 411 novos casos.
• Ao nível regional, é de salientar que nas quatro semanas terminadas a 28 de março de 2021 apenas a Área Metropolitana de Lisboa registou um número de óbitos superior ao do período homólogo de referência (1,1), assinalando as regiões Alentejo e Centro os menores valores. Em 204 municípios o número de óbitos entre 1 de março e 28 de março foi igual ou inferior ao valor homólogo de referência, mais 15 municípios do que na semana anterior.
• Nas semanas terminadas a 30 de março de 2021 (data da última atualização de dados ao nível do município) e a 23 de março verificou-se uma ligeira tendência de diminuição da concentração territorial do número de novos casos, face à evolução verificada nas semanas anteriores. Ao longo do mês de março, houve também uma redução da taxa de incidência cumulativa a 14 dias.
• A 30 de março de 2021, 282 dos 308 municípios registaram valores inferiores ao limiar de 120 novos casos por 100 mil habitantes e 220 registavam menos de 60 novos casos por 100 mil habitantes. Porém, 101 municípios registaram uma taxa de variação positiva da incidência cumulativa a 14 dias, mais 25 municípios do que na semana anterior.
• Enquadrados no domínio do Statslab do INE, os dados sobre mobilidade da população indicam um aumento global dos níveis de mobilidade a partir da segunda semana de fevereiro, registando-se, todavia, uma ligeira redução nos dias associados às férias escolares e ao período da Pascoa.

SABER +
Imagem sobre Custos de construção aumentam 2,2% em termos homólogos 07-04-2021

Custos de construção aumentam 2,2% em termos homólogos

Em fevereiro, estima-se que os custos de construção de habitação nova tenham aumentado 2,2%, mais 0,6 pontos percentuais (p.p.) face ao observado no mês anterior. O preço dos materiais e o custo da mão de obra apresentaram, respetivamente, variações de 2,7% e de 1,5% face ao período homólogo.

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre Dos 19,6 anos de esperança de vida aos 65 anos em 2019, 7,3 são de vida saudável 06-04-2021

Dos 19,6 anos de esperança de vida aos 65 anos em 2019, 7,3 são de vida saudável

Por ocasião do Dia Mundial da Saúde que amanhã se assinalará, o INE divulga indicadores fundamentais sobre a saúde e disponibiliza a publicação “Estatísticas da Saúde 2019”. No contexto atual, esta informação retrospetiva ganha particular pertinência por permitir enquadrar a informação sobre a pandemia COVID-19.
Alguns resultados:
• Apesar da redução nos últimos 5 anos da percentagem da população com limitações na realização de atividades habituais devido a problemas de saúde, de 36,1% em 2015 para 32,1% em 2020, Portugal continua a ser um dos países em que este indicador atinge uma maior expressão (33,0% em 2019, 24,0% para a União Europeia, UE-27).
• A expectativa de vida saudável aos 65 anos para a população em geral em 2019 situou-se em 7,3 anos, menos 3,0 que a média europeia (10,3 anos).
• Em 2019, existiam em Portugal 5,4 médicos e 7,4 enfermeiros por 1 000 habitantes, mais 2,3 médicos e mais 4,2 enfermeiros por 1 000 habitantes que há duas décadas atrás. O crescimento do número de médicos em Portugal foi mais elevado que na UE-27, com 3,6% ao ano entre 2014 e 2018 (1,4% ao ano na UE-27).
• No ano 2019 estavam disponíveis 36,0 mil camas para internamento imediato de doentes. Comparando com a situação vinte anos antes, o número total de camas para internamento decresceu 5,7% e o peso relativo do setor público na oferta deste equipamento diminuiu (de 77,7% em 1999 para 67,9% em 2019). A duração média de internamento situou-se em 9,1 dias, mais longa nas Unidades de Cuidados Intensivos como é caraterística deste tipo de internamento: 18,4 dias nos cuidados intensivos pediátricos, 17,2 dias nos cuidados intensivos neonatais e 11,8 dias nos cuidados intensivos de adultos.
• Os hospitais públicos ou em parceria público-privada continuaram em 2019 a ser os principais prestadores de serviços de saúde, assegurando mais de 80% dos atendimentos em urgência, 75,9% dos internamentos, 70,2% das cirurgias e 62,7% das consultas médicas. Todavia, foi nos hospitais privados que estes serviços mais aumentaram entre 1999 e 2019, verificando-se um reforço do peso relativo do setor privado ao nível das consultas médicas (de 15,6% para 37,3%), das cirurgias (de 22,4% para 29,8%), dos internamentos (de 15,3% para 24,1%) e dos atendimentos em serviço de urgência (de 4,2% para 17,3%).

Consulte a Publicação

SABER +
Imagem sobre A taxa de desemprego situou-se em 6,9% e a taxa de subutilização em 13,9% 05-04-2021

A taxa de desemprego situou-se em 6,9% e a taxa de subutilização em 13,9%

Janeiro de 2021:
• A população empregada diminuiu 0,6% relativamente ao mês anterior, 0,4% em relação a três meses antes e 2,2% quando comparada com a do mesmo mês de 2020.
• A população desempregada diminuiu 0,4% em relação a dezembro de 2020, 9,8% relativamente a outubro do mesmo ano e 0,7% por comparação com janeiro desse ano.
• A taxa de desemprego (conceito da Organização Internacional do Trabalho, OIT) situou-se em 6,9%, o mesmo valor que no mês precedente, menos 0,7 pontos percentuais (p.p.) em relação a três meses antes e mais 0,1 p.p. que um ano antes.
• A taxa subutilização de trabalho situou-se em 13,8%, mais 0,1 p.p. que no mês anterior, menos 1,0 p.p. que três meses antes e mais 1,2 p.p. que um ano antes.

Fevereiro de 2021:
• A população empregada aumentou 0,2% em relação ao mês anterior e diminuiu 0,6% em relação a três meses antes e 1,7% relativamente ao mesmo mês de 2020.
• A população desempregada diminuiu 0,3% em relação a janeiro de 2021 e 5,8% relativamente a três meses antes (novembro de 2020), tendo aumentado 3,8% por comparação com fevereiro de 2020.
• A taxa de desemprego situou-se em 6,9%, o mesmo valor que no mês precedente, menos 0,3 p.p. que três meses antes e mais 0,4 p.p. que no mês homólogo de 2020.
• A taxa subutilização de trabalho situou-se em 13,9%, valor superior em 0,1 p.p. ao do mês anterior, inferior em 0,1 p.p. ao de novembro de 2020 e superior em 1,2 p.p. ao do fevereiro de 2020.

SABER +
Imagem sobre Dois terços da população com 15 e mais anos não praticou exercício físico em 2019 05-04-2021

Dois terços da população com 15 e mais anos não praticou exercício físico em 2019

Em 2019, contavam-se 13 624 empresas no sector desportivo, que geraram 2,1 mil milhões de euros de volume de negócios e um valor acrescentado bruto (VAB) de 862,6 milhões de euros (0,5% e 0,8% do total do sector empresarial não financeiro, respetivamente).
Em 2020, de acordo com os resultados do Inquérito ao Emprego, o emprego desportivo foi estimado em 38,5 mil pessoas (0,8% da população empregada).
O financiamento das Câmaras Municipais às atividades e equipamentos desportivos, em 2019, atingiu 320,3 milhões de euros (+10,2% que no ano anterior). No mesmo ano, o financiamento do Instituto Português do Desporto e Juventude às Federações desportivas foi 45,9 milhões de euros (+5,3% que em 2018).
Em 2020, a balança comercial de bens desportivos registou um saldo positivo de 94,5 milhões de euros. As exportações de bicicletas representam mais de metade das exportações deste tipo de bens. Por outro lado, o calçado de desporto foi responsável pela maior parte das importações classificadas como bens desportivos.
Em 2019, cerca de 2/3 da população com 15 e mais anos não praticou qualquer exercício físico, de acordo com o Inquérito Nacional de Saúde.
Em 2019, o número de praticantes inscritos nas Federações desportivas era 688,9 mil, dos quais 68,4% eram homens. Aquele número aumentou 3,2% relativamente ao ano anterior.
No ano letivo 2019/2020, o número de alunos inscritos no ensino superior nas áreas desportivas foi 9 800. O número de diplomados em 2018/2019 foi 2 072. Em relação ao ano anterior, o número de alunos inscritos aumentou 4,2% e o de diplomados aumentou 0,9%.

Consulte a Publicação

SABER +
Imagem sobre Portugal e Espanha: Realidade ibérica e comparações no contexto europeu 01-04-2021

Portugal e Espanha: Realidade ibérica e comparações no contexto europeu

A percentagem de território protegido para biodiversidade em 2019 registada em Portugal (21%) e em Espanha (27%) era superior ao conjunto da União Europeia (18%). Existem grandes diferenças entre os países da UE neste domínio, com o valor máximo registado na Eslovénia (38%) e o mínimo na Dinamarca (8%).
Em 2019, a Espanha registou a segunda taxa de desemprego mais elevada da União Europeia (14,1%), apenas superada pela da Grécia (17,3%). Portugal, com 6,5%, esteve 0,2 p.p. acima do valor apurado para UE no seu todo, onde a República Checa foi o país com o registo mais baixo (2.0%).
A classe de produtos “Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres…” foi a mais comercializada entre os dois países em 2019, representando 10,1% das exportações de Portugal para Espanha e 14,7% das exportações de Espanha para Portugal.
O volume de mercadorias transportadas por ferrovia teve evoluções no mesmo sentido em Portugal e em Espanha a partir de 2014. Porém, considerando toda a década 2010-2019, Portugal registou uma redução de 7,2% entre o valor inicial e o valor final, enquanto em Espanha essa diferença foi de +21,7%.
Estes e outros temas são abordados na publicação “Península Ibérica em Números - 2020”.

Consulte a Publicação

SABER +
Imagem sobre Número de óbitos nas semanas 10 e 11 manteve-se abaixo da média de 2015-2019 01-04-2021

Número de óbitos nas semanas 10 e 11 manteve-se abaixo da média de 2015-2019

Nas semanas 10 e 11 (8 a 21 de março) registaram-se em Portugal, respetivamente, 2 128 e 2 091 óbitos, menos 216 e menos 193 óbitos que a média de 2015-2019. O número de óbitos por COVID-19 foi de 129 e de 90, representando, respetivamente, 6,1% e 4,3% do total de óbitos.
Dos 4 219 óbitos registados entre 8 e 21 de março, 70,4% corresponderam a pessoas com idades iguais ou superiores a 75 anos. Comparativamente com a média de 2015-2019, o número de óbitos reduziu-se em todos os grupos etários, com exceção dos grupos 65-69 anos e 70-74 anos. A maior redução verificou-se no grupo etário 85 a 89 anos, com menos 140 óbitos que a média 2015-2019 (-14,3%).
As regiões Norte, Centro e Área Metropolitana de Lisboa concentraram 81,8% dos óbitos. Em termos de número de óbitos por 100 mil habitantes, as regiões Alentejo (54,3), Centro (46,8) e Algarve (42,6) apresentaram, nestas duas semanas, valores superiores ao nacional (41,0).
Nas semanas 10 e 11, 62,9% dos óbitos ocorreram em estabelecimento hospitalar.

SABER +
Imagem sobre Recenseamento Agrícola - Resultados finais 31-03-2021

Recenseamento Agrícola - Resultados finais

No Recenseamento Agrícola 2019 foram recenseadas 290 mil explorações agrícolas, menos 15 mil que em 2009, o que corresponde a uma redução de 4,9%. A Superfície Agrícola Utilizada (SAU) aumentou 8,1% face a 2009, passando a ocupar 3,9 milhões de hectares (43% da superfície territorial). A dimensão média das explorações aumentou 13,7%, passando de 12,0 hectares em 2009 para 13,7 hectares de SAU por exploração.

Comparativamente com 2009, destaca-se:
 A distribuição acumulada da SAU pelas explorações agrícolas revela que a maioria da SAU está concentrada num número reduzido de explorações agrícolas, não se tendo registado alterações significativas face a 2009;
 A Intensificação da empresarialização da agricultura, com as sociedades a gerirem 1/3 da Superfície Agrícola Utilizada e mais de metade das Cabeças Normais;
 O aumento da Dimensão económica, gerando em média cada exploração 23,3 mil euros de Valor de Produção Padrão, mais 8,1 mil euros do que em 2009;
 O reforço da especialização, tendo as explorações especializadas aumentado 7,0% e o respetivo Valor da Produção Padrão crescido 49,9%;
 A alteração significativa da composição da SAU, verificando-se um decréscimo de 11,6% nas terras aráveis e aumentos das áreas das culturas permanentes (+24,6%) e pastagens permanentes (+14,9%);
 O aumento da superfície potencialmente regada (+16,6%), passando a beneficiar 69,7% dos pomares de frutos frescos, 11,5% dos pomares de casca rija, 31,7% dos olivais e 27,8% das vinhas;
 O aumento dos efetivos animais, bovino (+10,6%) e suíno (+15,7%);
 O decréscimo da mão de obra agrícola (-14,4%), refletindo a redução do trabalho familiar. Em contrapartida, aumentou a contratação de trabalhadores assalariados;
 O aumento para o triplo das explorações certificadas para a produção biológica.

Consulte a Publicação

SABER +
Imagem sobre Atividade turística com forte redução em fevereiro 31-03-2021

Atividade turística com forte redução em fevereiro

O setor do alojamento turístico registou 208,2 mil hóspedes e 472,9 mil dormidas em fevereiro de 2021, correspondendo a variações de -86,9% e -87,7%, respetivamente (-78,8% e -78,5% em janeiro, pela mesma ordem). Desde o início da pandemia, fevereiro foi o terceiro mês com maior redução do número de dormidas, tendo sido apenas ultrapassado pelos meses de abril e maio de 2020 (-97,4% e -95,8%, respetivamente).
As dormidas de residentes diminuíram 74,8% (-61,0% em janeiro) e as de não residentes recuaram 94,4% (-87,2% no mês anterior).
Em fevereiro, 61,8% dos estabelecimentos de alojamento turístico estiveram encerrados ou não registaram movimento de hóspedes (57,0% em janeiro).

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre Taxa de variação homóloga do IPC deverá manter-se em 0,5% 31-03-2021

Taxa de variação homóloga do IPC deverá manter-se em 0,5%

Tendo por base a informação já apurada, a taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) terá sido 0,5% em março de 2021, valor idêntico ao registado em fevereiro. O indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) terá desacelerado em março, passando de uma variação homóloga de 0,7% em fevereiro para 0,2%. A taxa de variação homóloga do índice relativo aos produtos energéticos terá sido 2,3%, significativamente acima do verificado no mês anterior (-3,0%), enquanto o índice referente aos produtos alimentares não transformados terá apresentado uma variação de 1,3% (1,4% em fevereiro).
Relativamente ao mês anterior o IPC terá tido uma variação de 1,4% (em fevereiro, a variação mensal foi -0,5% e em março de 2020 tinha sido 1,4%).
Estima-se uma variação média nos últimos doze meses nula, valor idêntico ao registado no mês precedente.
O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português terá registado uma variação homóloga de 0,1%
(0,3% no mês anterior).
Os dados definitivos referentes ao IPC do mês de março serão publicados no próximo dia 13 de abril.

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às suas solicitações. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre Produção Industrial registou uma variação homóloga de -2,4% 30-03-2021

Produção Industrial registou uma variação homóloga de -2,4%

O Índice de Produção Industrial apresentou uma variação homóloga de -2,4% em fevereiro, recuperando 3,8 pontos percentuais face a janeiro. A taxa de variação da secção das Indústrias Transformadoras situou-se em -6,0% (-5,1% no mês anterior).

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre Vendas no Comércio a Retalho agravam diminuição para 14,5% 30-03-2021

Vendas no Comércio a Retalho agravam diminuição para 14,5%

O Índice de Volume de Negócios no Comércio a Retalho passou de uma variação homóloga de -10,7% em janeiro para -14,5% em fevereiro.
Os índices de emprego, remunerações e horas trabalhadas apresentaram taxas de variação homóloga de -5,4%, -5,8% e -21,1%, respetivamente (variações de -4,8%, -4,2% e -13,8% em janeiro, pela mesma ordem). A redução homóloga do pessoal ao serviço foi a mais intensa desde janeiro de 2013 e desde maio de 2020 que a redução de horas trabalhadas não tinha sido tão expressiva.

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração, que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre Indicadores de confiança dos Consumidores e de clima económico aumentam 30-03-2021

Indicadores de confiança dos Consumidores e de clima económico aumentam

Em março, o indicador de confiança dos Consumidores aumentou significativamente, após ter diminuído no mês anterior, situando-se no nível mais elevado desde abril de 2020.
O indicador de clima económico aumentou em março, contrariando a redução observada no mês anterior. Em março, os indicadores de confiança aumentaram na Indústria Transformadora, no Comércio e nos Serviços, enquanto o indicador da Construção e Obras Públicas estabilizou.
Esta evolução ocorreu num contexto de abrandamento dos efeitos sobre a saúde pública da pandemia COVID-19.

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às suas solicitações. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece.

SABER +
Imagem sobre Número de novos contratos de arrendamento aumentou +19,4% face ao trimestre homólogo, mas foi menor o crescimento das rendas - 4ºTrimestre de 2020 e 2º Semestre de 2020 29-03-2021

Número de novos contratos de arrendamento aumentou +19,4% face ao trimestre homólogo, mas foi menor o crescimento das rendas - 4ºTrimestre de 2020 e 2º Semestre de 2020

No 4º trimestre de 2020 a variação homóloga do valor da renda mediana de novos contratos foi positiva (+3,8%) no país, mas menor do que a observada no trimestre anterior (+5,2%), tendo, porém, o aumento do número de novos contratos de arrendamento (+19,4%) superado o registado no 3º trimestre (+10,7%).
No entanto, foi muito heterogénea a evolução das rendas no território. Em 15 dos 24 municípios com mais de 100 mil habitantes houve uma redução das rendas medianas. Nas áreas metropolitanas destacavam-se com valores de novos contratos de arrendamento mais elevados e simultaneamente com diminuição homóloga das rendas medianas, os municípios de Lisboa (-9,1%), Oeiras (-8,1%), Porto (-7,7%), Cascais (-3,7%) e Amadora (-2,7%). Em 18 dos 24 municípios com mais de 100 mil habitantes houve uma redução das taxas de variação homóloga das rendas medianas respeitantes ao 4º trimestre relativamente às taxas observadas no trimestre anterior. As reduções foram mais intensas que o padrão nacional (-1,4 pontos percentuais) em 14 municípios destacando-se, Santa Maria da Feira (-14,2 p.p.), Gondomar (-12,8 p.p.) e Coimbra (-11,3 p.p.) e, a alguma distância, também Sintra (-7,2 p.p.) e Porto (-6,0 p.p.).

SABER +
Imagem sobre Estatísticas da Saúde - 2019 06-04-2021

Estatísticas da Saúde - 2019

A presente publicação apresenta os dados estatísticos sobre saúde relativos a Portugal e principalmente ao ano de 2019, abrangendo dez subtemas, em geral com desagregação geográfica ao nível III da NUTS: estado de saúde, hospitais, farmácias e medicamentos, pessoal de saúde inscrito, partos, mortalidade geral, mortalidade infantil, mortalidade neonatal, mortalidade fetal e Conta Satélite da Saúde. 

Inclui ainda uma breve descrição das operações estatísticas que estão na origem dos dados publicados, bem como dos conceitos e classificações utilizados.

SABER +
Imagem sobre Desporto em Números - 2020 05-04-2021

Desporto em Números - 2020

O Instituto Nacional de Estatística divulga a primeira edição da publicação Desporto em Números – 2020, que disponibiliza informação em oito domínios: ensino; emprego; empresas do sector desportivo; comércio internacional de bens; preços no consumidor dos bens e serviços; financiamento público das atividades desportivas; participação desportiva e desporto federado, percorrendo um conjunto de indicadores-síntese relativos à dimensão social e económica do sector desportivo. Nesta publicação encontram-se resultados obtidos a partir de diversas fontes, seja de operações estatísticas do INE ou de fontes administrativas. A informação reporta aos anos de 2015 a 2020, quando disponível.

Disponível, também, a edição interativa

SABER +
Imagem sobre Península Ibérica em Números - 2020 01-04-2021

Península Ibérica em Números - 2020

Os Institutos Nacionais de Estatística de Portugal e de Espanha publicam, conjuntamente, a 17.ª edição de Península Ibérica em Números | Península Ibérica en Cifras. A publicação contém indicadores estatísticos oficiais agrupados em 14 temas, que permitem comparar estes dois países e observar a posição de cada um no contexto da União Europeia. Em múltiplos casos, a informação é apresentada com detalhe a nível regional.
Esta publicação é apresentada em edição trilingue (português, espanhol e inglês) e inclui textos relativos a uma parte significativa dos seus quadros, gráficos e mapas.

Disponível, também, a edição interativa

SABER +
Imagem sobre Recenseamento Agrícola - 2019 31-03-2021

Recenseamento Agrícola - 2019

O Recenseamento Agrícola - 2019 é uma operação estatística de grande dimensão realizada pelo Instituto Nacional de Estatística com carácter obrigatório face ao Regulamento (UE) 2018/1091 do Parlamento Europeu e do Conselho.

A publicação Recenseamento Agrícola - 2019 está organizada em oito capítulos que abordam os seguintes temas: Estrutura das explorações agrícolas; Utilização das terras; Rega; Efetivos animais; Máquinas agrícolas; Mão de obra agrícola e caracterização do produtor singular e dirigente das sociedades agrícolas; Agricultura Biológica; A agricultura portuguesa no contexto europeu.

O objetivo primordial é a análise dos principais resultados confrontando-os, sempre que pertinente, com operações censitárias anteriores, em particular o Recenseamento Agrícola - 2009 e/ou com resultados regionais. Pretende-se, desta forma, proporcionar aos utilizadores uma visão das principais evoluções ocorridas nas explorações agrícolas na última década bem como dar a conhecer algumas particularidades e especificidades da agricultura nacional.

SABER +
Imagem sobre REVSTAT - Statistical Journal - Janeiro de 2021 30-03-2021

REVSTAT - Statistical Journal - Janeiro de 2021

Publicação de artigos de relevante conteúdo científico, abrangendo todos os ramos da Probabilidade e da Estatística, e que oferece um contributo efetivo para o esclarecimento e a divulgação de métodos estatísticos inovadores fundamentados em problemas reais.

SABER +
Imagem sobre Empresas em Portugal - 2019 29-03-2021

Empresas em Portugal - 2019

Com a publicação Empresas em Portugal - 2019, o Instituto Nacional de Estatística atualiza os principais indicadores estatísticos caracterizadores da estrutura e evolução do setor empresarial português, para o ano de 2019, obtidos a partir do Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE). Ainda nesta edição, o INE atualiza informação sobre grupos de empresas, integrando várias fontes de dados estatísticos.

Na conjuntura atual, o ano de referência desta publicação poderá parecer ainda mais desfasado face ao presente que o habitual, na medida em que o impacto da pandemia COVID-19 alterou brusca e profundamente o ambiente económico e social da atividade das empresas. Recorde-se, porém, que o SCIE é fundamentalmente alimentado por duas fontes administrativas:

i) a Informação Empresarial Simplificada em que as sociedades apresentam os seus resultados simultaneamente ao INE, Banco de Portugal, Ministério das Finanças e Ministério da Justiça; e

ii) as declarações fiscais das empresas individuais.

O apuramento dos dados é efetuado tendo por base o Regulamento (CE) n.º 295/2008, de 11 de março, relativo às estatísticas estruturais das empresas. Esta informação, agora divulgada, corresponde à enviada por Portugal ao Eurostat, no âmbito das suas obrigações legais.

Os quadros de resultados são disponibilizados separadamente da publicação, em ficheiros .xlsx. Estes integram os indicadores demográficos, económicos e patrimoniais do total de empresas e das empresas não financeiras em Portugal:

1) Indicadores demográficos das empresas em Portugal, 2008-2019;

2) Indicadores económicos e patrimoniais das empresas em Portugal, 2008-2019;

3) Indicadores demográficos das empresas não financeiras em Portugal, 2008-2019;

4) Indicadores económicos e patrimoniais das empresas não financeiras em Portugal, 2008-2019.

SABER +
Imagem sobre Boletim Mensal de Estatística - Fevereiro de 2021 19-03-2021

Boletim Mensal de Estatística - Fevereiro de 2021

O Boletim Mensal de Estatística contém os principais dados estatísticos mensais e trimestrais organizados nos seguintes capítulos: Contas Nacionais Trimestrais; População e Condições Sociais; Agricultura, Produção Animal e Pesca; Indústria e Construção; Comércio Interno e Internacional; Serviços; Finanças e Empresas; Comparações Internacionais.

SABER +
Imagem sobre Boletim Mensal da Agricultura e Pescas - Março de 2021 19-03-2021

Boletim Mensal da Agricultura e Pescas - Março de 2021

O Boletim Mensal da Agricultura e Pescas divulga um conjunto de informação conjuntural relativa ao sector primário. A estrutura desta publicação proporciona, através de dados, gráficos e tabela disponibilizados, uma oportunidade de acompanhar estas temáticas e analisar a evolução através das séries cronológicas apresentadas. A análise qualitativa é acompanhada por alguns elementos gráficos.

SABER +
Imagem sobre Boletim Mensal de Estatística - Janeiro de 2021 23-02-2021

Boletim Mensal de Estatística - Janeiro de 2021

Boletim Mensal de Estatística contém os principais dados estatísticos mensais e trimestrais organizados nos seguintes capítulos: Contas Nacionais Trimestrais; População e Condições Sociais; Agricultura, Produção Animal e Pesca; Indústria e Construção; Comércio Interno e Internacional; Serviços; Finanças e Empresas; Comparações Internacionais.

SABER +
Imagem sobre Boletim Mensal da Agricultura e Pescas - Fevereiro de 2021 22-02-2021

Boletim Mensal da Agricultura e Pescas - Fevereiro de 2021

O Boletim Mensal da Agricultura e Pescas divulga um conjunto de informação conjuntural relativa ao sector primário. A estrutura desta publicação proporciona, através de dados, gráficos e tabela disponibilizados, uma oportunidade de acompanhar estas temáticas e analisar a evolução através das séries cronológicas apresentadas. A análise qualitativa é acompanhada por alguns elementos gráficos.

SABER +
#